E ouvi o bater na vidraça


Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E ouvi o bater na vidraça.

vegetal de estimação

Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos.
Anais Nin – 1903 / 1977

Eu tenho um vegetal de estimação.
Não come, não corre, não chora nem teme.
Mas molesta, distrai, diverte, estimula,
e sobretudo conversa.
Ó! Se conversa.
Fala pelos cotovelos.

Com que lata  penetra a janela das minhas rotinas.
Quase roça os limites do meu território
que com tanta porfia desenhei
para ser o espaço das minhas fotos, ferragens,
balanços e projetos, quimeras e tombos,
medos, trunfos e triunfos.

Entre ideias e atos
do meu desalinho
um bater na vidraça
me obriga a parar.
E escuto:
O! Perdão. Foi a brisa do Norte.
O seu zunir agitado
me fez oscilar.
Reajo. Pois tal bater de vidraça
me faz levantar. E suspeitar.

Entre as contas e pontas
dos meus afazeres
um bater na vidraça
me obriga a parar.
E escuto.
O! Desta vez foi o melro
de bico amarelo

pousado no ramo mais alto.
Com seu chilrear, me lembrou
a razão do que sou. E me abalou.
Reajo. Pois tal bater na vidraça
me faz levantar. E questionar .

Recriando quimeras e tretas
do meu rotinar
um bater na vidraça
me obriga a parar.
E escuto.
Desta vez não é brisa nem melro
de bico amarelo.
É mesmo uma estranha e profunda

vontade de desabafar.
Reajo. Pois tal bater na vidraça
me faz levantar. E conversar.

Aberta a janela ao limite,
arrancamos conversa pegada
de olhos nos olhos,
(perdão)
de olhos nos ramos.
Despejamos as nossas lamúrias,
amores, sucessos, disputas,
encantos, condutas, temores.
Lembramos histórias passadas,
do quando e do que aí vem.

No final de conversa serena
cada um seguiu seu caminho,
quieto ou bulício.
Fechei a vidraça,
seguro que eu
e meu vegetal de estimação
seremos mais nós
em vidas que vêm.

E aguardo no meu rotinar
o bater da vidraça do dia que chega.
Que me faz levantar. E conversar.


 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

8 Responses to E ouvi o bater na vidraça

  1. JOSÉ SOUTINHO says:

    CONTINUAS A SER UM GRANDE POETA. PARABÉNS

  2. Maria José Teixeira Ricardo says:

    Lindo! Adorei

  3. Berta Alves says:

    Obrigada Manuel Paulo por mais um excelente poema!
    Beijinhos e até sábado

  4. Nuno Rei says:

    Bonito Tio Paulo,
    Também conversei muito com os choupos do parque.
    Parabéns!

  5. Manuel Paulo says:

    Obrigado Nuno. As coisas são mesmo o que somos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>