E espreitei a frincha da verdade

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E espreitei a frincha da verdade.

todos os cumes

Só nos nascimentos e nas mortes saímos do tempo. A terra detém a sua rotação, e as trivialidades em que desperdiçamos  horas caem ao chão como pó de purpurina. Quando uma criança nasce ou uma pessoa morre, o presente parte-se ao meio e deixa-nos espreitar por um instante a frincha da verdade: monumental, ardente e imutável.

A ridícula ideia de não voltar a ver-te – Rosa Montero
Também eu.
Cada vez que um filho nasceu,
cada vez que quem amo morreu,
sobretudo aqueles de que nem consigo falar,
libertei-me do tempo e do espaço.
E de cada vez que aconteceu
“espreitei esse instante
da frincha da verdade”
e não mais fui eu.

Amassado na levedura
da dor, dos carinhos, da ternura,
busquei o equilíbrio
na partilha do gostar
e do brincar,
na busca do chão imaculado,
e dos silêncios,
na tua companhia
e na de cada outro
como se fosse único.

E quase nos oitenta,
sacudi o pó dos pés
e sou caminhante afortunado.

E hoje,
neste entardecer
que parei para pensar,
vou descansar, sereno,
olhando os cumes.

 

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>