E senti o Teu olhar

Porque hoje é sábado, parei a pensar o que hoje pensei.
E senti o Teu olhar.

E senti o Teu olhar
Senti o Teu olhar. E olhei-me.
E vi que estava nu.
Foram precisos todos estes anos
para compreender.
Manuel Paulo em Cartas a Job


O Mindinho

Se enfrentas cada desafio
como  se fosse a  última esperança
e arrebatas para a tua causa
os caminhantes à terra prometida.

Se olhas nos olhos  com quem contigo fala,
com quem partilhas tudo quanto sabes
e quando partes lhe deixas uma rosa
como se esse fosse um encontro singular.

Se acolhes tudo quanto te criticam
sendo capaz de separar  o mau do belo
e se calas o paleio maldizente
daquele amigo comum que está ausente.

Conta que irei subir enroscada no teu corpo
qual jibóia trepando um embondeiro
seco de acenos, carinhos e afetos,
na descoberta de como é bela a sua copa.

Porque quem ama, quem partilha e quem acolhe
e sem abraços mostra o que vai no coração,
merece que se olhe o corpo inteiro
e não apenas o mindinho duma mão.

 

 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *