E fiquei em paz.

Porque hoje é sábado,
parei a pensar o que hoje pensei.
E fiquei em paz.

E fiquei em paz

 

O facto de nada saber acerca de mim tem uma causa uma única:
eu tinha medo de mim, estava a fugir de mim.
Hermann Hesse em Siddhartha

Coragem.
Ganha balanço.
Vais de viagem
ao teu interior.

Deixa na margem
o excesso de peso
do que em ti é sobejo.
Leva contigo
o quanto é pertença.

Do santo ao perverso,
do rico ao mendigo,
do belo ao mostrengo,
do frágil ao forte.

E porque não?
Junta-lhe aquela
rosa vermelha
que viste arrojada no mar
em tarde de tanta memória.

Mergulha
bem fundo da alma,
sem medo de ti,
sem medo de mim
ou do mundo,
daquilo que foste,
ou daquilo que és.

E para.
E pensa.
E sê verdadeiro.

Agarra da vida
o belo e o bom
que a vida te dá,
quebrado ou inteiro!

E ao emergires
do lodo e do puro,
do limpo e do sujo
em busca do sol,
descobrirás
que tanta baixeza
e tanta virtude
serão o fermento,
a pedra angular
dos caminhos da paz.

E que a paz seja contigo.
E comigo também.

 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *