E voltei a proibir-me proibir.

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E voltei a proibir-me proibir.

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Pablo Neruda em “É proibido”

E voltei a proibir-me proibir.

Pior que proibir
é dizer não.
Pior que odiar
é recusar a mão
a quem estende a sua.

Que esta madrugada
ao passar na rua
dei-me meia volta
e virei  a cara
a alguém que me sorria.

Eu sou tal qual eu sou.
E sei que sou ninguém.
E sei que em noite fria
em louca correria
olhei-te com desdém.

Andarilho em busca do além
eu sei que cada dia,
é dia de promessa.
Que é com cada queda
que  tudo recomeça.

Prometo a partir de hoje
proibi-me proibir,
deixar a mão fechada
a alguém que me sorria.
Mostrar-me indiferente
a quem me acaricia.

Prometo a partir de hoje
deixar a mão aberta
a alguém que me sorria.
Que em dia de promessa,
sedento de aventura,
e mergulhando fundo
irei mudar o mundo.

 

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *