E pensei partilha

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E pensei partilha.

Tendo como referência os textos que escrevia no jornal O Gaiato,
Pai Américo afirmava:
” Se picares as suas letras com um bico de
alfinete, hás-de ver que deitam sangue,
tão vivos são os casos que elas narram.”

Sessenta anos passados.

Ao picar, com bico afiado,
um P, com paixão,
fiquei com um rasto
de sangue na mão.

Que o P é Pobreza
de gente que passa
e não vês.

Que o P é Penúria
de gente que sofre
e não crês.

Que o P é a Pena
de gente real
sem porquês.

É gente que pisa
o chão que caminhas,
que sonha os teus sonhos,
que crê nos teus credos,
que prova contigo na face
o vento que passa.

Anda daí meu irmão.
Vem comigo mudar, com paixão,
esse P num P de Promessa,
de jeito que sendo picado
com bico afiado
te deixe uma rosa na mão.

 

 

 

 

 

 

 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *