Modo novo de ler o mundo

Porque hoje é sábado,
parei a pensar o que hoje pensei.
E pensei um modo novo de ler o mundo.

Ainda Mia Couto. Ainda o livro e se Obama fosse africano lembrado no último sábado.
No Congresso de Leitura COLE em Campinas, Brasil, o poeta afirmava:
… A poesia prova não ser apenas um género literário, mas um olhar revelador de mistérios e uma sabedoria resgatadora da nossa profunda humanidade. A poesia é um modo de ler o mundo e escrever nele um outro mundo.”
E logo depois:
Compete-nos desarmadilhar o mundo para que ele seja mais nosso e mais solidário.  Todos queremos um mundo novo, um mundo que tenha tudo de novo e muito pouco de mundo. A isso chamaram de utopia. Sabendo que essa palavra contém já uma cilada.       A palavra “utopia”, que vem do grego, quer dizer “o não-lugar” ( em contraponto com o lugar concreto que é o nosso mundo real). Mas eu não estaria fazendo poesia se dissesse que, nas condições de hoje, aconteceu uma curiosa inversão:  o chamado mundo real é aquele que se apresenta como um verdadeiro não-lugar, um lugar vazio onde cabemos apenas como uma ilusão virtual. Não sei se poderemos chamar de lugar ao território onde vivemos uma vida que nunca chega a ser nossa e que, cada vez mais, nos surge como uma vida pouco viva.

É fácil culpar os outros.
Alguém desconhecido é sempre o réu da minha indiferença.
Eu habito o lado dos bons.   Da outra banda é gente que não presta.
E o mundo segue a meu lado cada vez mais um não-lugar.

Ai de mim
que instalei no meu coração
a perfeição como rotina,
que temo o ódio e fujo do amor,
que uso guarda-chuva
no bom e no mau tempo,
que arranco por nada ou quase nada
a raiz ao pensamento.

Foi então que olhei o Céu.
E não vi luz na Estrela Polar.
Até aquela criança que me olhava
deixou de sorrir.
Tomei o leme.
Apertei-o
como quem espreme o passado.
Pus de lado a tentação
de sonhar acordado.
E nesse segundo, a cantar,
sem medo do charco,
ou do mar ou do fundo
juntei os cacos do mundo
no barco
e voltei a sonhar.

Este novo mundo é para mim.
Mas para ti também.

 

 

 

 

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *