E fui brincar

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E fui brincar.

E fui brincar


Essa de pôr a falar fontes, relógios, moedas,
foi ideia que se me enformou dentro de mim
pelos anos fora e eu havia de levar a cabo,
precisamente neste ano deste meu relato,
a ultimar o derradeiro dos meus apólogos dialogais.
O prisioneiro da Torre Velha – Fernando Campos

Ainda um pouco e me ouvireis.
Mais um pouco e deixareis de me ler
porque irei de viagem.
E em breve serão derradeiras
as  fábulas que aqui vos conto.

Urge rever memórias passadas
que teimo em recordar.
Histórias cantadas
sem  modo nem nexo
a modos de cena
para a gente brincar.

Do pinheiro  fiz um bosque
desse bosque fiz torrente,
da torrente fiz um lago
e do lago fiz pombinhas,
das pombinhas fiz flores,
das flores fiz um tapete,
do tapete fiz canção,
da canção fiz um coreto
no coreto fiz amigo
do amigo fiz irmão.

E foi tão bom.

 

 

 

 

 

 

 

 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>