E vi o céu arder

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E vi o céu arder.

E vi o ceu arder

A única coisa tão inevitavel quanto a morte é a vida.
Charles Chaplin

Em linha reta

Ele há feridas que matam a esperança
em linha reta,
que eu teimo em esquecer.

Eu fui à guerra.
E em tempos de lembrança
carrego a ferida de ver o céu arder.

Que truques vi fazer
para roubar a paz e confiança
a gente pequenina.

Que fartura de tempo eu vi dispor
de quem sente infetado
por gente que é diferente.

Que vontade louca eu sinto cá por dentro
de amarrotar o sol que eu vejo arder,
deitar janela fora o céu que creio.

Bem quis vendar os olhos.
Promessa estéril, ingénua, pueril
de não mais  arranhar o coração.

Mas nada do que sou, eu vou deixar de ser.
Vou pôr janela fora o céu que eu vi arder.

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

One Response to E vi o céu arder

  1. JOMI says:

    Profundo, dorido, mas esperançoso. O teu talento bem exposto neste poema rude e magoado. Continua a mandar-nos estes sábado, muito mais agora em tempos de distância…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>