E pensei nas folhas que ao virar até rangiam.

Porque hoje é sábado
Parei a pensar o que hoje pensei.
E pensei nas folhas que ao virar até rangiam.

E pensei nas folhas que rangiam

Nós não paramos de brincar porque envelhecemos,
mas envelhecemos porque paramos de brincar.
Oliver Wendell Holmes
(
Escritor, médico e professor americano, nascido em Cambridge, Massachusetts. Considerado por muitos
como um dos melhores escritores do século XIX).

 

ANDA DAÍ

Avô. Anda daí.
Vem tropeçar nos meus sonhos de criança.
Vem converter as histórias que contaste
em auroras de festim e de alegria,
em fatias de crença e de esperança.

Avô. Anda daí.
Vem lançar-me, sabedor e brincalhão
as palavras  musicadas que escorriam
das estórias de encantar que me escrevias,
em que as folhas, ao virar, até rangiam.

Avô. Anda daí.
Vem acender-me o balão em que partiste,
que eu revejo nas palavras que lançavas
escorridas das memórias que contavas
o dia em que chegará a minha vez.

Vem partilhar comigo esse segredo,
tal como o vento, invisível por quem passa,
mas sopro que me faz acreditar
neste mundo sem medo onde resido.

Avô. Anda daí.
E até sempre.

 

 

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

2 Responses to E pensei nas folhas que ao virar até rangiam.

  1. Rui says:

    Um belíssimo poema que nos faz sentir mais novos!

  2. Jorge Vieira Poeta says:

    Um poema que tropeça nos sonhos de criança, sempre com o carinho do avô, repartido por autênticas alegrias, que nos marcam para sempre.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>