E revi-te.

Porque hoje é sábado,
parei a pensar o que hoje pensei.
E revi-te.

E no tempo que o tempo me deu
no regresso ao passado
retomaste comigo onde estava
a conversa serena de noite distante.
E valeu a pena.
Manuel Paulo em “Destempo”

Amigo,
Recordo contigo
conversas serenas,
em que o tempo não conta.

Amigo,
Revivo contigo
o gozo do frágil,
em que a neta desponta.

Amigo
Revejo contigo
o voar do balão
que o vento desmonta.

E quando eu partir
no balão que se segue
irei retomar, deleitado,
a conversa serena
de noite recente,
que o tema não foi esgotado.

Até já.

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

6 Responses to E revi-te.

  1. Rosa Maria de Oliveira Meneres says:

    Lindo! Lindo! Lindo!

    Como sempre! Que bom poder ter esta companhia!……

    Obrigada.

  2. Cristina says:

    Tanta beleza, tanta tranquilidade e tanta amizade que se sente ao ler este poema.
    Obrigada por conseguir transmitir o que sentimos em relação as pessoas que amamos.
    Um beijo,
    Cristina

  3. Jorge Milheiro says:

    Antes de chegar aos comentários já feitos a única palavra que me saltou foi: lindo.
    Mas não é só lindo. É belo. É o poema que eu gostaria de ter feito para o dedicar a muitas pessoas, que ao longo da vida me ajudaram e acarinharam. Não só no passado, mas também no presente, pois atualmente este carinho é mais sentido e, não tendo meios para que possa ser agradecido, vejo neste poema uma maneira de agradecer o quanto acarinhado tenho sido.
    Obrigado por tão belo e expressivo poema:
    Permita-me perguntar-lhe: posso usá-lo em separadores de livros, como os que costumo fazer com assuntos religiosos ou catequéticos, com referência à sua autoria?

    • Manuel Paulo says:

      Caro amigo. Feliz por despertar tais sentimentos. Claro que o pode usar como entender. A partir do momento em que o publiquei, deixou de ser meu.

  4. Jose Elias says:

    Depois da beleza simples e harmoniosa das palavras feitas sentimento neste poema, apenas me apetece agradecer-lhe por ele, pela grandeza da poesia que ganha vida, nas vidas daqueles que toca e que por ela se deixam tocar e por isso e com alguma propriedade também eu me (re)vejo na saudade do que passa(mos) com aqueles que de forma indelével nos marcam e mudam a vida.
    Forte abraço. Bem haja

  5. Mª Margarida Araújo says:

    Simples e belo!
    Rever amigos é algo que nos conforta.
    Mais uma vez, parabéns Paulo .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>