E voltei a proibir-me proibir.

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E voltei a proibir-me proibir.

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Pablo Neruda em “É proibido”

E voltei a proibir-me proibir.

Pior que proibir
é dizer não.
Pior que odiar
é recusar a mão
a quem estende a sua.

Que esta madrugada
ao passar na rua
dei-me meia volta
e virei  a cara
a alguém que me sorria.

Eu sou tal qual eu sou.
E sei que sou ninguém.
E sei que em noite fria
em louca correria
olhei-te com desdém.

Andarilho em busca do além
eu sei que cada dia,
é dia de promessa.
Que é com cada queda
que  tudo recomeça.

Prometo a partir de hoje
proibi-me proibir,
deixar a mão fechada
a alguém que me sorria.
Mostrar-me indiferente
a quem me acaricia.

Prometo a partir de hoje
deixar a mão aberta
a alguém que me sorria.
Que em dia de promessa,
sedento de aventura,
e mergulhando fundo
irei mudar o mundo.

 

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

3 Responses to E voltei a proibir-me proibir.

  1. Jorge Milheiro says:

    É domingo Dia do Senhor.
    Levantei-me cedo: são agora 7H05.
    Gostei imenso deste poema, porque faz-me lembrar a pessoa que mais admiro e é o meu grande modelo, embora também tenha seguido outros, mas mais terrenos, como por exemplo o meu melhor professor, de entre todos, o professor de português, grandes homens, como chefes , diretores ou administradores, nas atividades profissionais, e até um chefe militar que também era um grande humanista.
    Como queria dizer, faz-me lembrar Jesus Cristo, quando disse: “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”, porque este poema revela e releva amor ao próximo.
    Parabéns Dr Paulo Cunha e obrigado por esta tão bela partilha.
    Saudações amigas com um bom abraço.

  2. Mª Margarida Araújo says:

    Parabéns Paulo,mais um belo poema que nos faz meditar…

    Por pouco que tenhas para dar,abre teu coração e com um sorriso sincero estende a tua mão.
    Mª Margarida

  3. Jose Elias says:

    Ao deixar os meus olhos percorrer as letras de cada palavra dou por mim a olhar-me ao espelho e a ver as vezes em que também eu cheio de mim, não tive espaço para mais nada, para mais ninguém! Então, também eu aceitei o desafio de prometer a mim mesmo, a viver mais para os outros, a estar mais atento ao que se passa à nossa volta, a encher-me de Deus, nos próximos – conhecidos e desconhecidos, que nas noites e nos dias ajudam a escrever de acolhimento a história da nossa vida.
    Bem haja quem nos ajuda a meditar e a crescer coomo pessoas…
    Forte abraço

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>