E proibi-me proibir

Porque hoje é sábado,
parei a pensar o que hoje pensei.
E proibi-me proibir.

É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.
Pablo Neruda – excerto do poema “É proibido”

É proibido
pôr fim a memórias lembradas
de quanto que fomos
que são o que somos.

É proibido
esquecer histórias passadas,
reais ou sonhadas,
que são o que amamos.

É proibido
deixar que a saudade datada
sufoque-nos  o hoje
que é o que temos.

É proibido
calar um silêncio profundo
na busca do belo
que é o que cremos.

Também eu em aurora distante
de dor e tormenta,
embalado na busca remota
do alfa e do ómega,
acordei a cantar.

E deixei-me ir.

E na tal aurora distante
de dor e tormenta
fiz promessa solene:

É proibido proibir.

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

2 Responses to E proibi-me proibir

  1. São Taborda says:

    Proibição que sabe bem… Linda promessa!
    Um beijo.

  2. Jose Elias says:

    Que belas são as palavras que nos fazem sentir que é passado o presente de ontem, que o hoje é o passado de amanhã, mas acima de tudo que em cada dia devemos proibir-nos de não ser o bem que fazemos e a não amar cada um pelo que é e pelo que nos ajuda a ser.
    Forte abraço.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>