Parei a pensar. E não sei se pensei.

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E não sei se pensei.

Ter opiniões é estar vendido a si mesmo.
Não ter opiniões é existir.
Ter todas as opiniões é ser poeta.
Fernando Pessoa

Montei na praça forte
uma tribuna.
Pus saltos altos.
Ergui um estandarte.
Gritei o que pensava
à multidão.
Da minha mesquinhez fiz baluarte
de tudo que não sei.

E a multidão me abandonou,
porque falhara.
Fingira o que não sou.

E regressei à concha original,
lembrando sonhos
da minha gestação.

Nessa manhã arrasei a praça forte.
Com ganas de viver
mudara a opinião.
Para existir, calei o que pensava
à multidão.
E disse não a quanto me pediam.
Deixei de olhar o próximo nos olhos
fingindo não o ver.

E a multidão me abandonou,
porque falhara.
Fingira o que não sou.

E regressei à concha original,
lembrando sonhos
da minha gestação.

Olhei em volta.
Saí da minha sombra.
Pé ante pé pisei sereno a areia.
Peguei a onda mais alta que passava
e deixei-me ir.
Do cume dessa onda olhei o mundo
e vi-o tal e qual como o sonhava.
E a multidão se aproximou
para ajudar-me a deixá-lo como estava.

Não mais voltei à concha original
ao ver sonhar a nova geração.

 

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>