E vão trinta

Porque hoje é sábado,
parei a pensar o que hoje pensei.
E pensei:
e vão trinta.

Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha.
Confúcio

E vão trinta.

Olhando para trás
o quanto escrevi
em trinta semanas
perguntei-me:
porquê?
para quê?

Aconteceu.

Que não retirei
nem um só cêntimo
à dívida soberana,
nem acrescentei
um único côvado
à minha estatura.

Aconteceu.

Que não sei como
nem porquê
tudo isto começou.
Nem como nem quando
acabará.

Aconteceu.

Quanto drama
e quanta festa,
quanto heroi
e quanto  queixa
me cruzou.

Aconteceu.

Que nada do antes
mudou.
Nem uma poeira passada
voltou.

Acontece.

Apenas no hoje,
de olhos destapados,
enxergo, esfrego e afago
mais terno
quem por mim passou.

 

 

 

 

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

3 Responses to E vão trinta

  1. josé lourenço castro says:

    Muito interessante!
    Saúde,obrigado e um abraço
    Lourenço

  2. josé lourenço castro says:

    Parabens pelos “trinta”
    Obrigado, saúde e um abraço
    Lourenço

  3. Maria Margarida R.Araújo says:

    Mais um belo poema num sábado ansiosamente aguardado.
    Parabéns.
    Mª Margarida

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>