Pensar pleno

Porque hoje é sábado
parei a pensar o que hoje pensei.
E pensei pleno.

Em “A Queda” , Albert Camus afirmava:
Só a morte desperta os nossos sentimentos.
Não amaremos talvez insuficientemente a vida?
Já notou que só a morte desperta os nossos sentimentos?
Como amamos os amigos que acabam de deixar-nos, não acha?!
Como admiramos os nossos mestres que já não falam, com a boca cheia de terra!
A homenagem surge, então, muito naturalmente, essa mesma homenagem que talvez eles tivessem esperado de nós, durante a vida inteira.
Mas sabe porque nós somos sempre mais justos e mais generosos para com os mortos?
A razão é simples! Para com eles, já não há deveres.

Que digo eu?

Cada vez penso mais na morte.
Tranquilo. Feliz pelo que fui e o que sou.
E por acreditar
que vou revisitar
tanta gente que me ama.

E quanto mais na morte penso
mais apaixonado estou
pelos vivos que me rodeiam.
E mais me assome
uma fúria louca de viver.

E porque hoje é sábado,
parei a pensar

N´Aquela Foto

Arranquei
da memória
a última foto tua
que olhei.

Foi com vê-la
que ganhei coragem
para criar este álbum
de recordações.

Lutei de mais
para esquecer o passado.

Para fingir
ser possível
colocá-lo
de lado.

Para enganar-me
com o engano
do tempo que passa
como se culpasse
o tempo
da minha saudade.

Com este álbum
enterrei os meus mortos.
E recordei-os.
E vivi com eles horas de alegria.
E de recordações.

Valeu a pena
porque agora
os amo mais.

Aquela Foto in  Arca da Aliança

This entry was posted in Parar para pensar porque hoje é sábado. Bookmark the permalink.

3 Responses to Pensar pleno

  1. José Lourenço Castro says:

    Poema muito belo!
    Obrigado e muita saúde meu amigo!
    Um grande abraço
    Lourenço

  2. jomi says:

    Cada semana, cada sábado, é bom ler as tuas reflexões. Continua pois és sempre bem vindo.
    Abraço
    jomi

  3. José Manuel Elias says:

    Melancólico…como por vezes se exige a um poeta mas sempre muito honesto e sensível na forma cuidada como as letras se entrelaçam nas palavras e nas imagens que ambas constroem no nosso íntimo, impelindo-nos dessa forma a penetrar na mesma atmosfera e a deixarmo-nos abraçar pelos sentimos e pelas memórias passadas que nos lançam – como ao poeta, para um presente e futuro a viver na certeza da esperança que salva.
    Bem-haja.
    Forte abraço
    JE

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>