Sou vendedor de sonhos

Sem mais.
Tal qual sou. Um punhado de ilusões.
Uma mão cheia de fantasia.
Um balouçar
entre o tédio e a alegria,
entre o dever e a utopia,
entre a farsa e a euforia.
Com muito trambolhão
à mistura
e também
alguma sabedoria.
Excerto de Auto-Retrato em PONTO FINAL

 

Livros publicados

pontas soltas_capa


Comprar Pontas Soltas



 

 

2012 Editora Delicatta – São Paulo – Brasil


Comprar De Olhos Bem Abertos

CAPAS


Comprar Arca da Aliança


Capa do livro Ponto Final
2003 Edição do autor – Vila Real – Portugal

 

Comprar Ponto Final



Parei para pensar, porque hoje é sábado.Parei a lembrar o que hoje pensei.
Porque hoje é sábado.
E em cada sábado que chegar irei parar a lembrar o que nele pensar.
Porque será sábado.

2016-11-12 – E vai daí

2016-11-05 – E sonhei na esperança

2016-09-03 – E pensei no murro que demos

2016-07-23 – E perguntei. Está alguém por aí?

2016-07-09 – E olhei o passeio asseado da minha rua

2016-06-25 – E vi o brilho da Estrela do Norte.

2016-06-06 – E fui feliz sem motivo

2016-05-14 – E fui brincar

2016-05-01 – Mãe. Hoje pensei em ti.

2016-03-21 – A tua face no livro digital

2016-03-13 – Não matem a cotovia

2015-12-26 – E pensei no que vou ser quando for grande

2015-11-14 – E impus-me uma paragem

2015-10-24 - E vi quanto isto é belo!

2015-09-05 -E deitei-me sereno olhando o Mundo

2015-08-15 – E vim da Festa2015-05-30 – E renasci

2015-05-02 – E pensei em ti. Minha Mãe.

2015-04-25 – Aqui e agora

2015-03-21 – Porque hoje é dia mundial da poesia

2015-01-07 – E daqui te lanço o desafio

2014-12-24 – E pensei em Ti.

2014.11.30 – E colhi uma flor

2014.11.16 – E renovei a esperança

2014.11.02-E fez-se luz

2014-10-25 – E vi o céu arder
2014-10-04 – E subi à tona contigo

2014-09-27 – E senti o Teu olhar

2014-09-20 – E pensei nas folhas que ao virar até rangiam

2014-09-13 – E desta foi de vez

2014-05-31 – E pensei quem vou beijar

2014-05-17 – E fui sábio

2014-05-03 – E fiquei em Paz

2014-04-05 – Escrevo, logo existo

2014-02-22 – Promessa adiada

2014-02-01 – E sonhei. Acordado

2013-12-21 – E pensei em Ti

2013-09-28 – É dia de reflexão. E refleti.

2013-09-07 – E invoquei a Paz

2013-08-03 – E fiquei em paz.

2013-07-20 – E vi como tudo é bom

2013-05-25 – E saltei o muro

2013-05-04 – Bem hajas. Minha Mãe. Meu amor

2013-04-13 – E pensei na Cláudia

2013-03-30 – E vi-Te renascer

2013-03-02-Vamos à festa

2012-12-22-E apostei tudo o que tinha

2012-12-15 – Porque tu és único

2012-12-08 – E renasci

2012-10-13 – E pensei no que resta

2012-08-13 – Sábado que passou não parei. Mas pensei.

2012-07-28 – E revi-te

2012-07-14 – E pensei longe
2012-06-30 – E voltei a proibir-me proibir

2012-06-02 – E proibi-me proibir

2012-05-19 – E pensei nesses estranhos idiotas

2012-05-12 – E pensei na casa onde nasci

2012-03-24 – E pensei em quem se gosta

2012-03-10 – E pensei partilha

2012-02-25 – E pensei quanto sou

2012-02-04 – E gozei o que possuo

2012-01-21 – E não parei de sonhar

2012-01-14 – Parei a pensar. E não sei se pensei.

2011-12-31 – E pensei no teu nome

2011-12-24 – Porque hoje é Natal
2011-12-17 – E pensei números

2011-12-10 – E pensei ontem
 2011-12-03 – E calei os silêncios

2011-11-26 – E vão trinta

2011-11-19 – Para quê um poeta no meio da guerra?

2011-11-12 – Sem surpresa

2011-10-29 – Fingi que pensei

2011-10-22 – Gente que passa

2011-10-15 – E escalei o alto pico nevado

2011-10-08 – Pensar Vida

2011-09-24 – Modo novo de ler o mundo

2011-09-17 – Três sábados, calei o que pensei

2011-08-20 – Sonhar criança

2011-08-13 – Tudo o que dorme é criança

2011-08-06 – Pensei que sei

2011-07-30 – Tolerância máxima

2011-07-23 – Carta aos descrentes.

2011-07-16 – Sem mais. Tal qual sou.

2011-07-09 – Tudo o resto são trocos

2011-07-02 – Ao olhar-me, encontrei-te

2011-06-25 – Este sábado fiz silêncio

2011-06-18 – Pensar longe

2011-06-11 – Possuir a Terra

2011-06-04 – De olhos bem abertos

2011-05-28 – Pensar pleno

2011-05-21 – Pedra sobre pedra

2011-05-14 – Tempo restante

2011-05-07 – Em busca do infinito

2011-04-30 – Dia da Mãe. É a Festa que começa.

2011-04-23 – Da camisa fiz um trapo…

2011-04-16 – Poeta é gente,
com gente que passa

2011-04-09 – Porque agora sou lixo

2011-04-02 – Parei no passeio da minha rua
e fiquei triste.

Eu estou por aí Eu estou por aí
a dar-me a conhecer naquilo que escrevo.
Aos poucos verás sem mais.
Tal qual sou.

2013-02-13 – O Elefante Poeta

2013-01-22 -  A semente foi lançada.  O Ponto de Encontro ultrapassou a fronteira da poesia.

2013-01-18 -  Anda daí. Vem comigo pôr de pé este novo Ponto de Encontro.

2012-11-07 – Lançamento do Livro DE OLHOS BEM ABERTOS

2011-07-07 – 100 anos. Hoje sonhei com a minha Mãe.

2011-04-27 – Achei o tesouro

2011-04-13 – Ao terceiro dia descobri que a solução era a multidão.

2011-04-06 – Subi o monte. Quase toquei o céu.

2011-03-30 – Poeta é bola de trapo, ganapo a brincar no jardim…

2011-03-23 – Uso papel e caneta. E com a tinta azul do meu tinteiro poderia pintar o mundo inteiro…

2011-03-16 – Vou de viagem. Quem quer sonhar comigo que deixe o seu abrigo e tome a carruagem.

5 Responses to Sou vendedor de sonhos

  1. João Miguel Cunha says:

    Nestes tempos conturbados, numa altura em que a esperança em dias melhores se esvai na vorágem do descalabro do nosso país a entrar em falência, fazem falta poetas como tu que nos ajudem a elevar o ânimo e a pensar que a vida não é só feita de “mercados” “FMIs” “rankings” ou “bancos europeus”.
    Continua a presentear-nos com poesia tão bela e que nos enche a alma.
    Um abraço
    jmiguel

  2. Manuel Paulo says:

    Um bom amigo enviou-me esta mensagem que não resisto em publicar aqui.

    Estimado amigo,
    Muito obrigado: No fim de um ano – 52 sábados para pensar no que pensou – está construído um novo livro. Com uma cadência marcada pelo calendário, espécie de horário afixado no quadro das nossas obrigações. Até agora, páginas leves na sua singela aparência mas que, em geral, travada a sofreguidão do entender singelo, levam para lá da natureza das páginas, a voar com a intangibilidade das ideias. Só não sei se algumas vezes me não levam (ou trazem?) das alturas do voo às profundezas do mergulho. Seja como for, não sou o mesmo depois de ler estas manchas gráficas de poucas letras e forte espessura. Tudo em bold vertido. Provavelmente ninguém será o mesmo depois deste exercício.
    Por mim faço-o devagar ainda que se não conheçam efeitos secundários.
    Um abraço
    Almor Viegas

  3. Edvaldo Rosa says:

    Manoel Paulo, obrigado pela presença em meus espaços, e pelos gentis comentários!
    O http://www.sacpaixao.net esta aberto para ti, e o meu coração ainda mais!
    Concordando com outros comentários em sua página, digo, ainda bem que nós poetas existimos: Trazemos um pouco de humanidade para esta vida tão louca dos dias de hoje! Abraços fraternos
    Edvaldo Rosa

  4. ilma says:

    tio paulo! obrigado por colocar essa modelo linda no livro.na capa.
    vou comprar o livro ok? bjinhos saude mt susseso.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>